VÍDEO MENSAGEM do Arcebispo Carlo Maria Viganò Roma – Piazza del Popolo 9 de outubro de 2021.

Arcebispo Carlo Maria Viganò

Caros amigos,

 Vocês se reuniram hoje em Roma, na Piazza del Popolo e em muitas outras praças da Itália, enquanto centenas de milhares de pessoas ao redor do mundo manifestam sua oposição ao estabelecimento de uma tirania global. Milhões de cidadãos de todas as nações, no silêncio ensurdecedor da mídia, gritaram seu próprio “Não!”: Não à loucura pandêmica. Não aos bloqueios, toques de recolher, à imposição de vacinas. Não aos passaportes de saúde, à chantagem de uma potência totalitária escravizada pela elite.

Roma – Piazza del Popolo 9 de outubro de 2021

Quase dois anos se passaram desde o início deste pesadelo planetário. Entramos em um labirinto, passo a passo. No começo eram as máscaras dentro de casa; em seguida, vieram os bloqueios com auto certificações; então o toque de recolher … lembra? Cada vez, diante de um abuso que pode parecer justificado pela emergência, aceitamos nos deixar ser privados de um pouco de liberdade. Passo a passo. Eles nos impediram de ir à igreja, sair de casa, trabalhar, ir à escola, visitar entes queridos e até parentes moribundos no hospital. Passo a passo. A certa hora da noite, em nossas ruas, só se viam os “rider” para as entregas do Amazon e JustEat: novas vítimas do “Great Reset”, novos escravos do Sistema, junto com muitos pequenos empresários, donos de lojas, bares e restaurantes, forçados à falência por regras absurdas, ilegítimas e contraproducentes. Sem falar do colapso psicológico que afetou muitos de nós, dos mais jovens aos mais velhos: alguns privados de qualquer contato social, outros internados em asilos sem tratamento, condenados à morte por um protocolo ministerial. Passo a passo, fomos nos acostumando com a ideia de que um Comitê Técnico-Científico poderia decidir – pelo menos nos disseram – que o vírus circulava somente a partir das 18h, ou que atingia os fregueses de pé e não sentados nos bares, que infectava em igrejas ou museus, mas não em trens urbanos ou ônibus cheios de estudantes. Passo a passo, fizeram-nos acreditar que uma gripe de temporada como qualquer outro Coronavírus poderia matar milhares de pessoas, sem, no entanto, nos dizer que os clínicos gerais e as enfermarias dos hospitais estavam proibidos de administrar o tratamento, à espera do agravamento da doença. Eles não nos disseram que Covid, por recomendação da autoridade de saúde, tinha que ser tratada como uma doença pulmonar, embora fosse de origem circulatória; não nos disseram que as autópsias foram proibidas e que os cadáveres foram cremados, para evitar que descobrissem as causas da doença e soubessem como curá-la. Nesse ínterim, eles nos mostraram os caminhões militares do general Figliuolo, carregados de cadáveres; e tiveram o cuidado de não explicar que esses caminhões continham alguns caixões, acumulados em Bérgamo depois de um período em que a agência funerária foi impedida de recolher os corpos e organizar seus funerais. Mas que impacto, para toda a população, confinada em casa diante da televisão, hipnotizada pelo terrorismo midiático, cientificamente planejado segundo os mais cínicos princípios da propaganda! Pense nos idosos, longe de seus entes queridos, privados de qualquer conforto, mesmo espiritual – até os padres foram proibidos de entrar para administrar a Extrema Unção! – forçados a sofrer essas marteladas diárias, a ver morrer seu vizinho de cama, a testemunhar o desespero de pessoas ainda mais solitárias do que eles. Hoje descobrimos que a administração do Propofol, um anestésico que é usado para induzir o coma farmacológico, não era apenas praticado pelo Diretor de Montichiari preso pela polícia por homicídio voluntário, mas era prática comum em todos os hospitais, conforme confirmado em entrevista ao Presidente dos Diretores dos Hospitais e conforme relatado pelo Dr. Rocha. Na prática, contam-nos com a maior tranquilidade que no ano passado os gravemente enfermos de Covid, antes de serem intubados, foram sedados com Propofol, sabendo-se que isso teria causado a sua morte. E dizem-nos tão descaradamente, porque estão evidentemente convencidos de que nenhum de nós terá nada a objetar, que nenhum magistrado abrirá um processo, que nenhum jornalista denunciará este último escândalo, que nenhum político se atreverá a criticar o Primeiro-Ministro ou o Ministro da Saúde.

Passo a passo, passamos a nos ver obrigados, para não perder o emprego e poder realizar as atividades normais, a apresentar um documento – o “green pass”– que atesta o estado de saúde dos vacinados e contagiosos. TESTE DE COVID substancialmente não confiáveis. Porque, como você sabe, a vacina não protege contra a infecção e os TESTE DE COVID não garantem que o resultado corresponda à realidade. Para que? Por uma gripe que podia ser curada – e que em muitos casos foi curada com sucesso comprovado, onde a deixou – mas que tinha de ser incurável, para legitimar a testagem de vacinas em derrogação das regras ordinárias.

E sempre nestes dias – dias em que a verdade parece vir cada vez mais à luz – aprendemos com as declarações de alguns médicos que os TESTE DE COVID, com base nos quais nos confinaram em casa ou nos obrigaram a ridículas e exaustivas quarentenas; os cotonetes que nos impuseram para detectar casos positivos para usar nas estatísticas de famosos especialistas não são confiáveis. E contam-nos hoje, impunemente, depois de ter arruinado a economia, o tecido social, o equilíbrio psicofísico de uma nação inteira. Mas se esses absorventes não são necessários hoje, também não foram necessários ontem; e não apenas os “teóricos da conspiração” disseram isso, mas seus próprios inventores, alegando que eles não tinham uso diagnóstico. Mas, uma vez que hoje os TESTE DE COVID precisam ser deslegitimados porque são a única alternativa – embora caros – à inoculação do soro do gene experimental, eles magicamente não são mais confiáveis, enquanto antes eram por lei. Um pouco como O Covid depois das 18h.

Há pouco mencionei o labirinto em que entramos. Mais precisamente: um labirinto em que nos encontramos a seguir aqueles que nos prometeram sair dele, sabendo muito bem que não tem saída. A cada passo que demos, entrando no labirinto deste labirinto, nos afastamos e perdemos.

Porque este é um labirinto. Um emaranhado de afirmações pseudocientíficas, de contradições lógicas, de proclamações apodíticas, de dogmas proclamados pelos novos padres de Covid, pelo pandêmico Sinédrio. Não há nada de consequente e racional no que nos é dito, e é precisamente acreditando que o que eles nos dizem faz sentido que vamos cada vez mais longe no labirinto. “Vamos vacinar para salvar os frágeis e os idosos que não podem ser vacinados”, disseram-nos, ao vacinar os frágeis e os idosos. “Vamos nos vacinar para poder tirar a máscara e começar a viver de novo”, e logo depois descobrimos que não só deveríamos usar a máscara, mas que uma dose de soro não era mais suficiente, e nem duas, e talvez nem mesmo três. Enquanto isso, os frágeis e os idosos morrem de Covid mesmo após a dose dupla, e se sobrevivem é porque nos hospitais – negue-me, se puder – por algum tempo os pacientes de Covid receberam azitromicina, fazendo com que parecesse uma cura contra parasitas intestinais, mas sabendo muito bem que é usado contra o vírus. Para não prejudicar a credibilidade das vacinas, certamente não para a saúde dos pacientes.

Temos que sair deste labirinto, queridos amigos. Mas não podemos sair disso simplesmente protestando contra o “GREEN PASS”, que é apenas a mais recente ferramenta de repressão, e certamente não a última. Claro: o “green pass”é aberração legal, uma chantagem odiosa, uma prova do pretexto do alarme de pandemia; mas mesmo que revogassem a passagem verde, permaneceria o absurdo de considerar mortal um vírus curável que não causou mais mortes do que nos últimos anos; o absurdo de usar máscaras que não só são inúteis – como dizem os “experts” – mas que, ao contrário, causam graves doenças pulmonares e cerebrais; o absurdo de se considerar uma “vacina” como um medicamento que não serve para dar imunidade e que se mostra ter efeitos colaterais tão graves, que em poucos meses de aplicação já foram superadas as mortes de todas as vacinas nos últimos dez anos ; o absurdo de nos deixar inocular uma droga experimental que atua em nosso DNA, tornando-nos organismos geneticamente modificados; o absurdo de seguir orientações e protocolos que parecem escritos por feiticeiros e não por médicos conscienciosos, dada a série de contraordens que agora atingem o patético. O absurdo de refutar com seriedade e calma afirmações tão escandalosas e falsas que não merecem resposta. O que disse o primeiro-ministro italiano Draghi: “Quem se vacina é salvo, quem não se vacina morre” é uma mentira; dizer “Os vacinados não morrem de Covid” é falso, assim como é falso dizer que Covid é uma doença mortal, uma vez que só se torna tal se não for tratada. E é falso que não haja tratamentos, porque esses tratamentos tão desacreditados agora são usados pelas autoridades europeias para fins preventivos contra os refugiados afegãos que recebemos há algumas semanas. É tudo falso. Dados falsos sobre mortes de Covid. Falsa a confiabilidade dos cotonetes. Falsa a eficácia e inocuidade das vacinas. Falsas as admissões em terapia intensiva. Falsa a “não correlação” de “doença súbita” afetando os vacinados. Alertas de notícias falsas, falsos serviços de programas de entretenimento em que intervêm os habituais “especialistas” e o “virostar”, falsas as previsões dos estatísticos.

Vamos sair do labirinto! Rejeitamos a narrativa midiática, talvez decidindo desligar a televisão, que hoje se tornou um tabernáculo infernal. Vamos quebrar o curto-circuito lógico daqueles que exigem nosso consentimento, mesmo quando mentem descaradamente. E para sair do labirinto, queridos amigos, é preciso olhar as coisas com um olhar que não se limita a fatos isolados, mas os vê todos em um quadro mais amplo, no qual a pandemia é uma ferramenta de engenharia social habilmente provocada com o objetivo de nos levar ao green pass, ao controle total, à limitação das liberdades naturais e constitucionais em nome de um “Great Reset” que nenhum de nós deseja, que ninguém nos pediu para votar, que concentra poder e riqueza nas mãos de uma ‘elite – a dos “filantrocapitalistas” como George Soros e Bill Gates – e que consideram o resto da humanidade um reservatório de escravos e clientes, a quem dar aquele mínimo de dinheiro – criada do nada e que pesa sobre eles como uma dívida – que serve para lhes permitir comprar os bens que esta elite produz; bens produzidos com mão de obra barata, é claro, obrigados a fazer de tudo para sobreviver. Enquanto se prepara para nos vender ar, água e luz solar, talvez sob o pretexto da emergência verde e sob a pressão dos ridículos Fridays for Future de Greta Thumberg.

Saímos do labirinto, reconhecendo que há um problema de autoridade: a autoridade civil que não busca o bem comum dos cidadãos e a autoridade religiosa que não apenas deixou de cuidar da salvação eterna dos fiéis, mas os entrega nas mandíbulas de um dragão infernal. Saímos do labirinto aprendendo a usar o julgamento crítico, a não ser enganados por quem tem histórico de tais abusos, mentiras e crimes, para não nos deixar supor que se comportarão de maneira diferente conosco. Saímos do labirinto percebendo que está em curso uma guerra mundial, travada não com armas reais, mas com armas não convencionais, como a censura da informação, a escravização de médicos, a cumplicidade de políticos, magistrados e agentes da lei; uma guerra que deixa vítimas inocentes em seu caminho, que destrói a sociedade, que atinge as pessoas na alma antes mesmo do corpo, que foi declarada contra tudo que lembra nossa civilização, nossa cultura, nossa fé, os nossos valores. Uma guerra entre a luz e as trevas, entre o bem e o mal.

Eles não se preocupam com a nossa saúde, assim como não se preocupam em preservar o meio ambiente ou promover a paz: segundo alguns – como o ministro Cingolani – mais da metade de nós, seres humanos, deveria desaparecer, porque somos parasitas do planeta. E são precisamente aqueles que teorizam o despovoamento do planeta recorrendo a novas vacinas, aborto, eutanásia e esterilização em massa, que por acaso se apresentam como filantropos benéficos e distribuem vacinas eficazes justamente para esse fim. E todos aqueles que de várias maneiras se venderam a esses “filantropos” nos pedem para “acreditar na ciência” (hoje para Covid, amanhã para o aquecimento global), desistindo da razão em nome de um assentimento fideísta que beira o suicídio. Vamos sair do labirinto! Não podemos vencer um jogo quando as regras podem, a qualquer momento, ser anuladas por nosso oponente.

Devemos reconhecer que, se chegamos a este ponto, devemos em grande parte à nossa infidelidade, a deixar outros decidirem por Deus o que é certo e o que não é, a permitir que em nome da tolerância permitisse a violação do natural. A lei e a degeneração da moralidade cristã, o assassinato de crianças no ventre materno, a matança de enfermos e idosos e a corrupção de crianças e jovens. O que está acontecendo hoje é o fruto envenenado de décadas de dissolução, de rebelião contra a Lei do Senhor, de pecados e vícios que clamam por vingança aos olhos de Deus. A Providência nos mostra como o mundo pode se tornar, quando abandona o Senhorio de Jesus Cristo e os lugares sob a escravidão de Satanás.

As minhas palavras não são apocalípticas – como dizem alguns – mas um severo aviso, como pastor, para voltar a Deus, para reconhecer que onde Cristo Rei e Maria Rainha não reinam, reina a cruel e implacável tirania do diabo, que promete fraternidade universal, enquanto ele deseja apenas sua destruição na terra e sua condenação eterna.

Jesus Cristo é Rei e Senhor da História, nas suas mãos estão as sinas e os destinos de cada um de nós, dos Estados e da Santa Igreja. Ele não permitirá que sucumbamos ao ataque violento do inimigo da humanidade. Volta, voltemos todos a ele, com a confiança do filho pródigo que humildemente pede ao Pai que o perdoe e que o receba de volta em sua casa. Voltemos a ser cristãos, orgulhosos da nossa fé e da civilização que a religião construiu ao longo de dois mil anos de história. Voltemos a defender em compromisso civil e político aqueles valores inegociáveis que hoje vemos negados e pisoteados. Mas, sobretudo – rogo-te, imploro-te – voltemos a viver na graça de Deus, a frequentar os sacramentos, a praticar as virtudes, a ser cristãos coerentes com as promessas do Baptismo, autênticas testemunhas de Cristo.

Para sair do labirinto é necessário refazer o caminho percorrido: o nosso “fio de Ariane” é a defesa da família, do tecido social e religioso da nação, da nossa cultura inescapavelmente cristã, católica e romana.

Nós, italianos, não somos racistas! Em nome da Caridade que ao longo dos séculos tem representado um dos orgulhos da Europa cristã, podemos acolher aqueles que são perseguidos e proscritos pelo seu próprio país, mas não podemos ser responsáveis pela exploração de milhões de migrantes, a pretexto de hospitalidade. Sabemos que sua imigração para a Europa foi planejada pela elite para destruir nossa identidade civil, cultural e religiosa; serve à elite para criar o caos social, para introduzir trabalho mal pago, para fomentar guerras entre os pobres e para privar os países de onde vêm de seus jovens.

Para sair do labirinto é preciso resistir com coragem e firmeza, pois nossos pais souberam se opor às ditaduras do século passado. Desobediência civil, coordenação de ações de protesto, contatos com movimentos de outros estados, união em uma aliança antiglobalista que garante ajuda e apoio contra as autoridades subservientes ao sistema. Uma resistência serena, alimentada pela consciência de que o mundo imaginado pela “Great Reset” não é o nosso, pois se funda numa ideologia da morte, num pensamento anti-humano e anticristico, e que se baseia apenas na força. de armas ou em chantagem contra aqueles que não podem se rebelar.

Esquecem, esses miseráveis servos da Nova Ordem Mundial, que se trata de uma utopia, na verdade uma distopia infernal, que repugna a todos nós precisamente porque não considera que não somos feitos de circuitos eletromagnéticos, mas de carne e osso, de paixões, de afetos, de atos de heroísmo e generosidade. Porque somos humanos, feitos à imagem e semelhança de Deus, dotados de inteligência e vontade própria. Mas isso, os demônios não podem entender: por isso eles falharão miseravelmente.

E para que este dia em que manifestais publicamente e com coragem a vossa oposição à iminente tirania não permaneça estéril e desprovido de luz sobrenatural, convido todos vós a recitarem comigo as palavras que o Senhor nos ensinou. Façamo-lo com fervor, com impulso de caridade, invocando a proteção de Nosso Senhor e de Sua Santíssima Mãe sobre todos nós, nas nossas famílias, na nossa pátria e no mundo inteiro: Pai Nosso, que estás nos céus …

Privacy Preference Center