O SILÊNCIO DA IGREJA CATÓLICA.

(Victor Hugo Barros/Santuário)

O SILÊNCIO DA IGREJA CATÓLICA

 Desde a erupção no cenário mundial do corona vírus em janeiro de 2020, o cotidiano do homem ocidental mudou de forma inesperada. Essas mudanças radicais e confusas em nossas vidas estão levantando questões perturbadoras sobre a pandemia em curso.

Muitos falam de conjurações, conspirações, complôs, ligados à Covid-19 e as vacinas para combatê-la, mas o barulho ensurdecedor sobre essas questões nos deixa desconfiados.

Os chamados “no-vax”, estão convencidos de que existe uma macro trama das forças ocultas para impor uma ditadura universal. Essas teorias são galopantes nas redes sociais. Os meios de comunicação de massa tradicionais definem essas teses como delirantes, porém não ignoram ou obscurecem o no-vax, mas oferecem-lhes as primeiras páginas de jornais e programas de entrevistas na televisão, alimentando sua presença. A impressão é que o interesse de quem manipula a opinião pública é criar polêmicas e diversões artificiais, enquanto os verdadeiros problemas se envolvem numa conspiração de silêncio.

Em sua encíclica Divini Redemptoris de 19 de março de 1937, o Papa Pio XI afirmou que uma ajuda poderosa para a difusão do comunismo foi a “conspiração do silêncio” da imprensa mundial. “Dizemos conspiração porque não se pode explicar de outra forma que uma imprensa tão ávida por destacar até mesmo os pequenos incidentes diários pudesse por muito tempo silenciar sobre os horrores cometidos na Rússia, México e até mesmo na maior parte da Espanha, e fale relativamente pouco de uma organização mundial tão vasta como é o comunismo em Moscou. Este silêncio se deve em parte a razões de uma política menos previdente e é favorecido por várias forças ocultas, que há muito tentam destruir a ordem social cristã

Como não notar que as mesmas forças ocultas às quais Pio XI se referiu, hoje silenciam sobre as responsabilidades da China comunista na disseminação do coronavírus, mas de forma mais geral sobre as perseguições internas ao regime de Xi Jinping e sobre seu plano de economia e conquista militar do mundo? Um projeto sino-comunista da “nova ordem mundial“, muito mais real do que muitas pseudo-conspirações, que só servem para semear a confusão na mente do homem ocidental, psicologicamente debilitado por uma pandemia que não dá sinais de diminuir.

E como podemos negar a existência de uma conspiração de silêncio sobre o crime de aborto, que causa mais de quarenta milhões de mortes em todo o mundo todos os anos? Um genocídio perpetrado por lei contra as mais inocentes das vítimas nos principais países civilizados, aqueles que acabam de se reunir em Roma em 20-21 de outubro de 2021 para o G20, interessados em tudo exceto os problemas religiosos e morais, dos quais depende o futuro da humanidade.

Tem sido observado muito bem: o aborto é hediondo, mas o maior crime que se comete não é contra a vida física, é contra a vida espiritual destes nascituros em que Deus, no momento da concepção, infundiu a alma para atribuir para a glória eterna. Este bem maior é apenas uma sombra pálida em comparação com a vida terrena, limitada e transitória. A gravidade do aborto reside precisamente nisto: privar para sempre as criaturas abortadas da visão beatífica de Deus, que é a maior felicidade para um ser humano, portanto, não é contra os direitos humanos, mas contra os direitos supremos de Deus. Parafraseando o que afirma Dom Prosper Guéranger em seu ensaio de ouro sobre O Sentido da História, devemos reiterar que qualquer ideologia, qualquer visão cultural ou política, independentemente da ordem sobrenatural, é um falso sistema que nada explica e deixa a história da humanidade no caos e na contradição permanente. O cristão de fato julga os acontecimentos, as ideias, os homens, do ponto de vista de Deus, em todas as circunstâncias, sem nunca esquecer que as catástrofes naturais, as guerras e as convulsões sociais são muitas vezes consequência dos pecados públicos da sociedade, que subtrai a Deus a glória que é devida a Ele.

A Igreja deveria lembrar-se disso todos os dias: todos os males da humanidade têm sua origem no pecado; o pecado público é mais grave do que o pecado individual, e Deus pune os pecados sociais com os flagelos de epidemias, guerras, crises econômicas e desastres naturais. Se o mundo não se arrepende e, sobretudo, se os homens da Igreja se calam, os castigos que no início são infligidos de forma branda estão destinados a piorar cada vez mais, até ao aniquilamento de nações inteiras. A mensagem de Fátima anunciou-o como um destino irreversível.

O silêncio da Igreja Católica sobre esta mensagem e sobre a ação da Divina Providência na história é a mais terrível conspiração de que o homem pode ser vítima hoje.

Privacy Preference Center