O IMPERADOR NAPOLEÃO BUONAPARTE

O IMPERADOR NAPOLEÃO BUONAPARTE

 

Este ano marca o 200º aniversário da morte de Napoleão, cuja inteligência é considerada “superior” por admiradores e detratores. Graças às conversas mantidas no exílio com o cético general Bertrand – anotadas e publicadas postumamente – ficamos sabendo o que o derrotado imperador pensava de Cristo e como, finalmente, ele também foi conquistado por Ele.

O 5 de maio de 2021 comemorou o 200º aniversário da morte de Napoleão Bonaparte, que estava exilado por seis anos em Sant’Elena, uma pequena ilha no Atlântico. Quando, algumas semanas depois (não havia internet!) Alessandro Manzoni, ainda jovem de 36 anos, soube disso, pediu à sua amada esposa Enrichetta Blondel que fosse ao piano e tocasse em sua memória. E ele, “o grande poeta italiano”, compôs no dia 5 de maio a ode civil, que nós, italianos, há 15 anos estudamos de cor.

 

«Ei fu. Siccome immobile / dato il mortal sospiro, / stette la spoglia immemore, / orba di tanto spiro. / Così percossa, attonita, / la Terra al nunzio sta…».

 

Foi; já não é; qual gélido / Sem voz, sem movimento,

Ficou seu corpo exânime / Órfão de tanto alento,

Assim ferida, atônita / Co’a nova a terra está,

 

A notícia causou sensação em todos os lugares. Como foi possível o fim aos 51 anos, do homem que dominou a Europa por cerca de 20 anos e, por assim dizer, estava pronto para dominar o mundo? Manzoni, à pergunta: “Era verdadeira glória?“, Refere-se à “árdua sentença para a posteridade“, e se inclina sobre a alma do líder, que passou quase da glória do altar ao pó, entre os derrotados da terra, ele que às vezes parecia ser onipotente.

A ode civil de Manzoni termina com a vitória da fé Católica na alma, antes do encontro definitivo com Deus.

Napoleão, nascido em Ajaccio na Córsega, em 15 de agosto de 1769 de família católica, foi batizado, comunicado e confirmado, mas cresceu a partir dos 14 anos, nas escolas militares da França, iluminado, leigo, no máximo teísta, não o diga quase ateu. No auge de sua glória terrena, quando subjugou a França e quase toda a Europa, ele tentou subjugar o Papa e a Igreja Católica. A partir daí, seus problemas, sua ruína, como escreveu seu quase contemporâneo, o pensador Joseph de Maistre: «Qui a mange du Pape, en meurt» (quem come do Papa, morre disso!).

Pio VI morreu em Valência em 29 de agosto de 1799, prisioneiro de Napoleão, mas ele não se curvou para aquele que estava prestes a atingir o auge do poder. Pio VI, ao contrário de outros papas, servis e submetidos aos governos globalistas dominantes, resistiu sozinho a ele, quando a Europa se ajoelhava diante de seus erros e de seus crimes. Ele foi prisioneiro de Napoleão por 4 anos, entre Savona e Fontainebleau. A excomunhão lançada pelo Papa fez com que as armas caíssem das mãos de seus soldados. A Maçonaria que o apoiava em sua ascensão, o abandonou quando ele não servia mais aos seus projetos. E foi a Leipzig (1814), e foi a Waterloo (1815). No final, exilado e prisioneiro dos ingleses em Sant’Elena.

Para aquele que não bastava a Europa, agora tinha uma pequeníssima ilha, sob vigilância constante. Sozinho, abandonado por todos, exceto por uns poucos fiéis, que se podiam contar com uma mão, aquele que havia sido chamado de “o primeiro anticristo da história” teve que “lidarcom aquele Jesus, o Nazareno, a quem perseguiu e ofendeu como poucos, atingindo seu Vigário e sua Igreja. Sua mãe, Letizia Ramolino, que ficara viúva em tenra idade, com um enxame de crianças, que as tinha visto nos tronos da Europa, agora necessitadas, foi acolhida em Roma pelo Papa. Ela e o Papa, justamente considerado um mártir, rezaram por ele.

Assim chegou a hora do seu encontro com Jesus: lemos nas Memórias que Napoleão, agora ajoelhado diante de Jesus, disse dele ao General Bertrand: «Conheço os homens e digo-vos que Jesus não foi apenas um homem. Os espíritos superficiais veem uma semelhança entre Cristo e os fundadores de impérios, conquistadores e divindades de outras religiões. Não existe semelhança entre o Cristianismo e qualquer outra religião, existe a distância do infinito.

Nenhum de nós que considera, com espírito analítico, o que sabemos sobre os diversos cultos das diferentes nações, pode deixar de dizer diante desses personagens: “Não, vocês não são deuses nem agentes da divindade; não, você não tem missão do céu. Vocês são antes os missionários da mentira e, portanto, o mesmo destino foi reservado para vocês como para os outros mortais, porque vocês são da linhagem de Adão.

O paganismo não foi aceito como verdade absoluta pelos sábios da Grécia, como Pitágoras, Sócrates, Platão, Anaxágoras e Péricles. Pelo contrário, os espíritos mais nobres após o surgimento do Cristianismo tinham fé n’Ele, uma fé substancial nos mistérios e dogmas do Evangelho. Por que esse fato singular aconteceu? Que um credo misterioso, o símbolo dos Apóstolos, foi recebido com profundo respeito pelos homens mais ilustres, enquanto as teogonias derivadas das leis da natureza não se impuseram a nenhum homem sábio?

Os deuses e legisladores da Índia, China, Roma, Atenas, nada têm que se possa impor ao meu coração. Para mim, esses deuses e esses grandes homens são apenas seres humanos como eu, porque sua inteligência não difere muito da minha. Em sua época, eles se destacaram e desempenharam um grande papel, assim como eu em minha época.

O mesmo não pode ser dito de Cristo, porque seu espírito me ultrapassa e sua vontade me surpreende. Entre Ele e qualquer outra pessoa no mundo, não pode haver um termo de comparação possível. Ele é um ser à parte».

Para Napoleão em Sant’Helena, Ele é “um tipo à parte” Jesus, que não pode ser comparado a ninguém, é supremamente novo, muito original, único e insuperável. Não pode ser inventado por ninguém, é Ele, e Ele é suficiente em si mesmo: o Novo, o absoluto sem precedentes. E então é Deus!

Napoleão conclui: “O nascimento de Jesus, a história da sua vida, a profundidade do seu dogma que atinge o máximo de dificuldade, dogma que é ao mesmo tempo a explicação mais admirável da sua vida, o seu Evangelho, a singularidade deste ser misterioso, sua aparência, seu reinado, sua vitória sobre o tempo, séculos e civilizações, tudo isso é um prodígio para mim, um mistério insondável … que me lança em uma meditação extática da qual não posso voltar.

Afinal, todos nós sabemos que as ciências e a filosofia não servem de forma alguma para a nossa salvação, e Jesus vem ao mundo para revelar os segredos do Céu e as leis da alma. A alma é suficiente para ele, como ele é suficiente para a alma; antes dele a alma não era nada, pois a matéria e o tempo eram os donos do mundo. Depois dele, tudo foi trazido de volta ao seu lugar certo, e a ciência e a filosofia foram trazidas de volta ao seu papel secundário no destino do homem. Com ele, a alma recuperou a sua soberania, e todo o andaime da especulação filosófica desmorona, pela força de uma única palavra sua: Fé”.

E chegamos a abril de 1821. Napoleão tem apenas 51 anos, mas sua saúde estava piorando. O general De Montholon, que o assistiu até o fim, conta: “No dia 29 de abril, eu já havia passado 39 dias e noites à cabeceira do imperador… Na noite entre 29 e 30 de abril ele me pediu para trazer o abade Vignali, para que tomasse meu lugar. A sua insistência fez-me compreender que algum outro pensamento o guiava e com sinceridade filial disse-lhe que compreendia o motivo do seu pedido urgente, e ele: ‘Sim, peço Dom Vignali porque é padre, certamente não porque vem das montanhas da Córsega. Deixe-me sozinho com o padre e não fale sobre isso com ninguém’”.

Obedeci e trouxe imediatamente o Abade Vignali, a quem comuniquei o desejo do imperador. Quando voltei às quatro da manhã, o imperador disse-me: “General, estou feliz; cumpri todos os meus deveres e desejo ao senhor a mesma felicidade no momento de sua morte. Eu precisava, acredite: sou italiano, filho da Córsega e me alegro quando encontro um verdadeiro sacerdote. Eu não queria dizê-lo, mas agora não faz mais sentido, porque eu quero, tenho que dar glória a Deus”.

O médico particular, doutor Francesco Antonmarchi: “No dia 3 de maio de 1821, todos se retiraram às duas da tarde; O Abade Vignali fica sozinho com o enfermo … depois disso anuncia que administrou o Santíssimo Viático ao imperador”.

Napoleão, “o fatal com olhos de águia“, aquele que segurava os reinos nas mãos, ajoelhou-se junto ao crucifixo do Gólgota e recebeu-o como Pão da Vida Eterna. O que aconteceu naqueles dias na ilha de Sant’Elena no meio do Atlântico foi cantado por Manzoni, com seu gênio, como católico, como historiador e como poeta, na ode de 5 de maio, em seu final, enquanto a doce Henriqueta Blondel, sua esposa angelical, tocava ao piano:

 

«Ahi, forse a tanto strazio / cadde lo spirto anelo, / e disperò: ma valida / venne una man dal cielo, / e in più spirabil aere / pietosa il trasportò; / e l’avviò, pei floridi / sentier della speranza, / ai campi eterni, al premio / che i desideri avanza, / dov’è silenzio e tenebre / la gloria che passò. / Bella Immortal! benefica / Fede ai trionfi avvezza! / Scrivi ancor questo, allegrati; / chè più superba altezza / al disonor del Golgota / giammai non si chinò. / Tu dalle stanche ceneri / sperdi ogni ria parola: / il Dio che atterra e suscita, / che affanna e che consola, / sulla deserta coltrice / accanto a lui posò».

 

Ai! a tamanha mágoa / Cedeu talvez aflito

e desesperou; mas valido / Braço desceu bendito,

E para outro ar mais límpido / Piedoso o transportou;

E pelas sendas floridas / O conduziu da esperança

Ao campo eterno, ao prêmio / Que mais que o anelo alcança,

Onde é negror, silêncio / A glória que passou.

Fé imortal, benéfica. / De palmas bela e ufana,

Colhe mais esta; alegra-te, / Que nunca outra mundana

Grandeza igual do Gólgota/Á afronta se humilhou;

Exulta; e o resto inânime / Preserva da maldade;

Quem mata e abre os túmulos, / Quem pune e tem piedade,

Deus, no seu leito fúnebre / Ao pé se lhe assentou

 

Aquele 5 de maio de 1821, há duzentos anos, foi um triunfo admirável de Cristo Salvador e Rei: sim, Nazareno, você venceu! A Vós a honra, o poder e a glória. Amém!

Privacy Preference Center