Faça a sua Doação!

      

Quem está Online!

Nós temos 323 visitantes online
Solenidade de Santa Maria, Mãe de Deus! PDF Imprimir E-mail
mae_de_Deus2

1ª Leitura - Números 6,22-27
Salmo - 66/67
2ª Leitura - Gálatas 4,4-7
Evangelho - Lucas 2,16-21

"Jesus Cristo, pessoa divina, nasceu da Virgem Maria."

"Naquele tempo: 16Os pastores foram às pressas a Belém e encontraram Maria e José, e o recém nascido, deitado na manjedoura. 17Tendo-o visto, contaram o que lhes fora dito sobre o menino. 18E todos os que ouviram os pastores ficaram maravilhados com aquilo que contavam. 19Quanto a Maria, guardava todos estes fatos e meditava sobre eles em seu coração. 20Os pastores voltaram, glorificando e louvando a Deus por tudo que tinham visto e ouvido, conforme lhes tinha sido dito. 21Quando se completaram os oito dias para a circuncisão do menino, deram-lhe o nome de Jesus, como fora chamado pelo anjo antes de ser concebido."


Homília do Papa Bento XVI, 1 de Janeiro de 2007

“Queridos irmãos e irmãs!

A liturgia de hoje contempla, como num mosaico, diversos fatos e realidades messiânicas, mas a atenção concentra-se particularmente sobre Maria, Mãe de Deus. Oito dias depois do nascimento de Jesus, recordamos a Mãe, a Theotókos, aquela que "deu à luz o Rei que governa o céu e a terra pelos séculos dos séculos" (Antífona de entrada; cf. Sedúlio). A liturgia medita hoje sobre o Verbo feito homem, e repete que nasceu da Virgem. Reflete sobre a circuncisão de Jesus como rito de agregação à comunidade, e contempla Deus que deu o seu Filho Unigénito como chefe do "novo povo" por meio de Maria. Recorda o nome dado ao Messias, e ouve-o pronunciar com terna doçura pela sua Mãe. Invoca a paz para o mundo, a paz de Cristo, e fá-lo através de Maria, mediadora e cooperadora de Cristo (cf. Lumen gentium, 60-61).

Começamos um novo ano solar, que é um ulterior período de tempo que nos é oferecido pela Providência divina no contexto da salvação inaugurada por Cristo. Mas não entrou o Verbo eterno no tempo próprio por meio de Maria? Recorda-o o apóstolo Paulo na segunda Leitura, que escutámos há pouco, afirmando que Jesus nasceu "de uma mulher" (cf. Gl 4, 4). Na liturgia de hoje sobressai a figura de Maria, verdadeira Mãe de Jesus, Homem-Deus. Portanto, a solenidade não celebra uma ideia abstracta, mas um mistério e um acontecimento histórico:  Jesus Cristo, pessoa divina, nasceu da Virgem Maria, a qual é, no sentido mais verdadeiro, sua mãe.

Além da maternidade hoje é posta em evidência também a virgindade de Maria. Trata-se de duas prerrogativas que são sempre proclamadas juntas e de maneira inseparável, porque se integram e se qualificam reciprocamente. Maria é mãe, mas mãe virgem; Maria é virgem, mas virgem mãe. Se omitirmos um dos dois aspectos não se compreende plenamente o mistério de Maria, como os Evangelhos no-lo apresentam. Mãe de Cristo, Maria é também Mãe da Igreja, como o meu venerado predecessor, o Beato Paulo VI quis proclamar a 21 de Novembro de 1964, durante o Concílio Vaticano II. Por fim, Maria é Mãe espiritual de toda a humanidade, porque Jesus derramou o seu sangue na cruz por todos, e a todos confiou da cruz à sua solicitude materna.

Olhando para Maria, iniciemos portanto este novo ano, que recebemos das mãos de Deus como um "talento" precioso para fazermos frutificar, como uma ocasião providencial para contribuir para a realização do Reino de Deus...

A narração evangélica que ouvimos mostra o cenário dos pastores de Belém que se dirigem à gruta para adorar o Menino, depois de ter recebido o anúncio do Anjo (cf. Lc 2, 16). Como não dirigir o olhar mais uma vez para a dramática situação que caracteriza precisamente aquela Terra onde nasceu Jesus? Como não implorar com oração insistente que também naquela região chegue o mais depressa possível o dia da paz, o dia no qual se resolva definitivamente o conflito em ato que perdura há demasiado tempo? Um acordo de paz, para ser duradouro, deve basear-se sobre o respeito da dignidade e dos direitos de cada pessoa. Os votos que formulo diante dos representantes das Nações aqui presentes são por que a Comunidade internacional una os próprios esforços, para que em nome de Deus se construa um mundo no qual os direitos fundamentais do homem sejam respeitados por todos. Mas para que isto se realize é necessário que o fundamento destes direitos seja reconhecido não em simples acordos humanos, mas "na mesma natureza do homem e na sua inalienável dignidade de pessoa criada por Deus". De fato, se os elementos constitutivos da dignidade humana são confiados às variáveis opiniões humanas, também os seus direitos, mesmo se proclamados solenemente, acabam por se tornar frágeis e com diversas interpretações. "É, portanto, importante que os Organismos internacionais não percam de vista o fundamento natural dos direitos do homem. Isto preservá-los-á do risco, infelizmente sempre latente, de resvalar para uma interpretação meramente positivista".

"O Senhor te abençoe e te guarde!... O Senhor volte para ti a sua face e te dê paz! (Nm 6, 24.26). É esta a fórmula de bênção que ouvimos na primeira Leitura. É tirada do livro dos Números:  nela é repetida três vezes o nome do Senhor. Isto significa a intensidade e a força da bênção, cuja última palavra é "paz". A palavra bíblica shalom, que traduzimos por "paz", indica aquele conjunto de bens em que consiste "a salvação" que trouxe Cristo, o Messias anunciado pelos profetas. Por isso, nós cristãos reconhecemos n'Ele o Príncipe da paz. Ele fez-se homem e nasceu numa gruta em Belém para trazer a sua paz aos homens de boa vontade, aos que o acolhem com fé e amor. A paz é assim verdadeiramente o dom e o compromisso do Natal:  o dom, que deve ser acolhido com humilde docilidade e invocado constantemente com orante confiança; o compromisso, que faz de cada pessoa de boa vontade um "canal de paz".

Pedimos a Maria, Mãe de Deus, que nos ajude a acolher o Filho e, n'Ele, a verdadeira paz. Peçamos-lhe que ilumine os nossos olhos, para que saibamos reconhecer o Rosto de Cristo no rosto de cada pessoa humana, coração da paz!"