BEM VINDO À TERCEIRA GUERRA MUNDIAL

BEM VINDO À TERCEIRA GUERRA MUNDIAL

 

O que está sendo travada é a terceira guerra mundial, para a qual as duas primeiras foram a preparação lógica e necessária. O grande capital financeiro as queria, as provocou, as alimentou: agora estão lançando o ataque final. Não mais contra os estados, usando outros estados, mas diretamente contra os povos e a economia real, uma vez que agora eliminou todas as ideologias potencialmente adversas e controla quase todos os estados; portanto, eles nem precisam trazer para o campo navios de guerra, divisões blindadas e esquadrões de bombardeiros: basta mobilizar políticos, administradores públicos, médicos, jornalistas, administradores de escolas e, claro, os líderes das forças militares. Já não se trata de conquistar cidades e territórios, nem de ocupar zonas estratégicas ou zonas industriais e mineiras: agora se trata de subjugar toda a população, de modelá-la como se faz com o metal fundido, de impor toda espécie de limitações nela e para controlar, e ainda mais para manipular sua mente, para fazê-la cooperar voluntariamente em sua própria escravidão. Não é nada difícil, quando se tem os meios de informação e toda a classe política, tanto o governo como a autodenominada oposição e, sobretudo, também uma grande parte do clero. Afinal, trata-se apenas de colher os frutos de um trabalho paciente e metódico de semeadura que durante anos, décadas, foi se desconstruindo gradativamente todos os referenciais e todas as realidades orgânicas e vitais, da família à escola, dos partidos aos sindicatos, do judiciário às forças armadas.

O que propõem os mestres do grande capital financeiro? Eles querem, dizem, estabelecer a Nova Ordem Mundial. Muito bom. Não há mais estados, mas um superestado mundial. Não há mais dinheiro corrente, não há mais economia real, não há mais poupança, não há mais propriedade privada, mas apenas uma renda básica de cidadania. E não há mais sombra de autonomia para escolas, universidades, pesquisas científicas, instituições de saúde e hospitalares, tribunais, direito. Fim dos carros particulares, limitações drásticas nas viagens individuais, redução máxima do tráfego aéreo: como nos séculos passados, a população estará mais uma vez intimamente ligada ao território; mas sem a identidade comum que a tornava uma comunidade coesa e autoconsciente. Tudo e todos sob controle constante, despojados de todos os recursos e reduzidos a viver única e exclusivamente do que o superestado vai passar para eles, claro que sob certas condições. Em primeiro lugar: submissão ao regime permanente, que permitirá o controle permanente de cada indivíduo através da inserção de microchips (como já acontece na Suécia) e do seu registro numa base de dados geral de todos os seus dados pessoais, desde o grupo sanguíneo ao correio privado, navegar na rede e a documentação e arquivo escrupulosa de todos os sites visitados e toda a informação trocada nas redes sociais.

Afinal, os mestres das grandes finanças internacionais já têm todo o dinheiro que desejam e, se precisarem de mais, simplesmente imprimem na quantidade desejada, controlando todos os bancos centrais. Portanto, eles não precisam do dinheiro das pessoas comuns ou mesmo das reservas de ouro dos estados: eles já os controlam. Não querem privar de suas economias as pessoas comuns para aumentar seu capital: fazem isso para reduzir todos à condição de oprimidos e estabelecer, de cima, um super comunismo para uso e consumo de qualquer povo, reservando para si um tipo de vida completamente diferente, que na verdade eles já vivem. Mas então eles podem não apenas controlar o mundo, mas também serem adorados como deuses ou semideuses. (Veja a Coreia do Norte). Quando todos estiverem no limiar da pobreza e for suficiente dizer uma palavra errada para ter sua renda de cidadania cancelada, e assim negado o direito de sobreviver, eles, detentores de toda riqueza, de toda tecnologia, de todos, a força material, e os donos de fato de todos os lugares onde a cultura se desenvolve e o que é certo e errado, o que é bom e o que é mau, o que tem o direito de existir e o que deve desaparecer, passarão para a segunda e última fase de seu plano mundial: colocar-se como divindade acima da humanidade comum, e reivindicar para si honras divinas e uma submissão cega e total do escravo, sob pena de morte para quem se atrever a se opor a tal religião. É por isso que o Cristianismo deve desaparecer, assim como outras religiões: para que apenas a religião dos Iluminados permaneça; (Quero dizer os maçons) e não apenas o corpo, mas também a alma das pessoas é totalmente subjugada e aniquilada.

Esta, então, é essencialmente uma guerra espiritual. Agora, porém, com a vitória final já aparecendo no horizonte, mas ainda não totalmente percebida, muito menos consolidada – porque há muitas, muitas variáveis que até eles lutarão para controlar totalmente – o nó da batalha é político. Vejamos o caso do Brasil. Muitos da classe dominante brasileira estão na folha de pagamento dos poderosos deste mundo e de qualquer forma sabem, apesar de sua inteligência limitada, que em condições normais, ou seja, se houvesse um jogo democrático real, eles não poderiam ocupar seus lugares um minuto a mais. Portanto, eles têm todo o interesse em obedecer incondicionalmente às diretrizes do poder globalista, que os mantém em um papel, ainda que uma fachada, que oferece inúmeras vantagens e nenhuma responsabilidade pessoal. As categorias profissionais são alinhadas por interesse, por conformidade e por covardia; mas os políticos os são porque conhecem a voz do patrão e porque atuam nesse sentido: em nome de seus patrões e, portanto, de fato, contra o Brasil e o povo brasileiro. Tecnicamente falando, eles são traidores, Quislings (do sobrenome do político norueguês Vidkun Quisling, que chefiou um governo fantoche): eles sabem como são as coisas e sabem a quem estão servindo e contra quem estão agindo, mas não estão no menos perturbados: por exemplo, recomendam e impõem um “elixir de longa vida” e fingem que o tomaram, mas será que é verdade? Ou eles próprios injetaram água fresca ou trouxeram seus braços para seringas falsas com uma agulha de plástico dobrável. Em visita a Roma, por um euro, se vendia uma seringa de plástico com agulha retrátil. Eles sabem o que há nessa mistura e têm o cuidado de não levá-la para si e para suas famílias: eles a reservam para o rebanho humano que devem administrar em nome de seus donos; e acham isso completamente normal, porque provavelmente se sentem melhor do que os outros e pensam que têm o direito de sobreviver, enquanto o homem comum, inútil ou nocivo por sua excessiva prolificidade, deve ser exterminado para o bem do ecossistema, como os mosquitos, exterminados com as campanhas adequadas de pulverização de DDT. Infertilidade e doenças fatais induzidas, que tornaram muitas mulheres inférteis na Índia e na África, são ignoradas em silêncio, mas aumentam os cofres de Bill Gate e companhia….

Então, nesta fase, a batalha é política. Os partidos, governo e oposição, estão sob o controle total dos Donos Universais. Mas se falta, de fato, a oposição, então isso significa que a democracia está morta: nos encontramos em um totalitarismo mal disfarçado, onde pensar diferente do regime no poder equivale a um crime de traição e deve ser punido com os rigores da lei., como aconteceu durante a Revolução Francesa. Quem não pensava como o governo, “acabava guilhotinado“. Por outro lado, esta situação não é inteiramente sem incógnitas para eles e possibilidade de reação para nós. Eles controlam os partidos, mas não controlam completamente a opinião pública. Eles controlam uma grande parte dela, mas talvez não tão grande quanto parece: muitas pessoas se adaptaram e se submeteram mais por medo ou falta de senso crítico do que por convicção. É nesta fatia de não resignados e não convencidos, e também naquela de meio convictos e sujeitos com reserva que devemos alavancar. Devemos recorrer a eles: abrir um debate em todos os lugares onde isso for possível; e se não pode fazer isso fisicamente, pode-se fazê-lo eletronicamente. O regime que eles querem impor é tão antinatural, tão monstruoso, tão contrário ao próprio instinto de sobrevivência, que passar para a segunda fase de seu plano não será um passeio no parque mesmo para aqueles com um poder tão enorme. O bom senso, a moralidade, o instinto de autopreservação permanecem do lado das pessoas comuns; o bom direito de quem luta pela verdade, liberdade e justiça permanece. Não é pouco. Não desanime, nem dê por certo que as coisas vão acabar como eles querem. A última palavra ainda não foi dita. Coragem. Deus, que é a verdade, está conosco e contra eles.

 

VIVA CRISTO REI, VIVA OS PATRIOTAS BRASILEIROS!

Privacy Preference Center