A Alemanha progressista e o Papa Bento XVI.

AFP

Dizem que com Joseph Ratzinger eleito Papa, a Igreja enfrentaria o advento do progressismo com uma atitude diferente. Dizem que sim, é claro, mas talvez sejam os tempos que ditam a agenda de todos. Mesmo uma instituição tão granítica quanto a Igreja Católica, que hoje é forçada a se perguntar problemas culturais e doutrinários que não são concebíveis até algumas décadas atrás: mudanças nos paradigmas globais que apresentam conceitos inovadores e “novos direitos“, em um contexto onde a cultura ocidental não é mais aquela considerada tradicional.

Para deixar mais claro: talvez Bento XVI, que havia começado a falar há muito tempo sobre o advento dos “novos direitos” e o progressismo exasperado, havia previsto o calendário cultural do futuro. E então a razão da renúncia é melhor explicada: o “professor manso” de Tübingen pode ter escolhido dar um passo atrás, para permitir que novas energias enfrentassem o atual advento de suas previsões. Outros, de forma mais ideológica, apenas notam que o advento do laicismo e da secularização é agora um fato atuado.

São todas sugestões, mas talvez nem tanto. É claro que nos faz pensar que muitas das exigências de mudança dentro da Igreja, grande parte da aliança feita entre esse progressismo e certos pensamentos eclesiásticos desejosos, vêm da Alemanha. Não que Ratzinger nunca tenha enfrentado seus compatriotas eclesiásticos na ponta da doutrina, muito pelo contrário. Lembre-se das comparações com o Cardeal Walter Kasper. Agora, no entanto, a estrada parece clara. No entanto, na Alemanha ainda há aqueles que se autodenominam “Ratzingerianos”.

Por pior que a definição em questão possa se emprestar e ser o resultado de simplificações. Aqueles que se opõem ao “Sínodo bienal” – aquele pelo qual a Conferência Dos Bispos Alemães poderia ir tão longe quanto adotar uma série de mudanças desobedecendo as indicações do Vaticano – podem ser chamados de “Ratzingerianos”. Pelo menos porque a frente conservadora ainda é composta, no pensamento do papa emérito, mas não apenas, de pessoas contrárias à abolição do celibato sacerdotal, à concessão de bênçãos para casais homossexuais e assim por diante. É muito claro que a tendência geral dos episcopados alemães tenha se distanciado do “ratzingerismo”. A lista de coisas que os “Ratzingerianos” são contra é a mesma que contém as mudanças nas quais ele espera que o Ratzingeriano não seja (e talvez nunca tenha sido).

Além disso, o próprio pontífice o colocou preto no branco:O espetáculo das reações da teologia alemã é tão tolo e tão ruim que é melhor não falar sobre isso. As verdadeiras razões que eles querem silenciar a minha voz eu não quero analisá-los. (Bento XVI – Uma Vida), último trabalho biográfico de Peeter Seewald. Ratzinger continuou a escrever, então para dizer o seu próprio, mesmo depois de desistir do trono de Pedro, e talvez isso não tenha funcionado.

Em seguida, há a versão daqueles que afirmam que a Alemanha progressista é a favorita de Francisco: os fatos até agora dizem que nenhum dos pedidos derivados da dialética dentro do “Sínodo Bienal” foi aprovado pelo pontífice reinante. Veremos no final do “Concilio“, ou seja, quando os alemães reunidos comunicarem que tomaram decisões, que podem ou não ser “vinculantes“. Depende das possíveis marchas de volta das intenções, que também tratavam de “restrições“.

Certamente a Igreja imaginada hoje pelo progressismo teutônico, desde bênçãos para casais homossexuais até a secularização da gestão paroquial, passando sobretudo pela abolição do celibato sacerdotal, não é o que os conservadores gostariam. E se é verdade que Ratzinger era um firme defensor do conservadorismo doutrinário, então o silogismo se torna elementar. De forma mais geral, a Igreja Teutônica parece ter a intenção de abraçar o mundo, enquanto Bento XVI parecia convencido da possibilidade de transportar o catolicismo para além da ponte do relativismo mesmo questionando a influência no globo da “Eclesia”. Esse “relativismo” de acordo com as categorias ratzingerianas era claro. As diferenças dependem da modalidade de recepção.